quarta-feira , 22 novembro 2017

Renovação da autorização residência temporária e trabalho remunerado

Renovação da autorização de residência temporária e trabalho remunerado

  • Para a renovação da autorização de residência temporária e trabalho remunerado o interessado não pode ser um cidadão de um Estado da União Europeia, ou do Espaço Econômico Europeu ou da Suíça, ou ainda familiares de cidadãos destes países que se lhes aplicam o sistema de cidadão da União.
  • Não possuir antecedentes criminais em Espanha.
  • Não estar proibido de entrar em Espanha, e não figurar como rejeitado no espaço territorial de países com os quais a Espanha assinou um acordo para esse efeito.
  • Se for caso disso, para credenciar a escolarização de crianças sob seus cuidados em idade de escolaridade obrigatória.
  • Pagar taxas para o processamento da autorização de residência temporária e relativa à autorização de trabalho assalariado.

Capaz de provar uma das seguintes hipóteses:

  • Continue com a relação de trabalho que deu origem à concessão de uma autorização cuja renovação se pretende.
  • Ter trabalhado por pelo menos seis meses por ano e:
  • Tendo assinado um novo contrato de trabalho e aparecem no alto ou assimilados situação no momento da aplicação, ou
  • Tem um novo contrato que garante atividade laboral do trabalhador e início efetivo condicionou a concessão de renovação.
  • Tendo realizado a atividade durante um período mínimo de três meses por ano, desde que:
    A relação de trabalho que deu origem à autorização foi interrompido por razões fora do trabalhador.
    Ele tem procurado ativamente emprego através de inscrição no emprego competente Serviço Público, como requerente.
  • Têm um contrato de trabalho em vigor.
  • Tendo concedido um subsídio de desemprego contributivo.
  • Ser beneficiário de uma prestação de natureza pública destinada a obter social ou de emprego segurança social.
  • Ser extinto ou suspenso da relação de trabalho, como resultado de que o trabalhador é vítima de violência de gênero.

Tem trabalhado e dado entrada na Segurança Social durante pelo menos nove meses de num período de doze ou dezoito meses de um período de vinte e quatro anos, desde que:

  • A última relação de trabalho foi interrompido por razões fora do trabalhador.
  • Tem procurado ativamente emprego.

O cônjuge ou parceiro do trabalhador tem requisitos financeiros suficientes para reagrupar o trabalhador.

Se o núcleo família inclui dois membros, a quantidade mínima que deve ser comprovada está representando 150% do IPREM mensal, no valor de 799 euros. Para cada membro adicional, deve adicionar 50% do IPREM, ou seja, 266 euros seria adicionado

fonte: Ministerio de Empleo y Seguridad Social – Gobierno de España
NOTA IMPORTANTE: A leitura desta informação não dispensa a consulta à legislação aplicável.

Sobre Editoria

Verifique também

DELE – Diploma de espanhol como língua estrangeira

O Instituto Cervantes é o órgão responsável pela gestão acadêmica, administrativa e econômica dos Diplomas …